Apanhando cerejas

Ontem aceitamos um convite para apanhar cerejas. Comprar as cerejas já colhidas? Não tem graça. As nossas cerejeiras no jardim deram frutos, mas os passarinhos colheram todos. Assim quando o Reiner chegou ontem do trabalho, fomos lá.Pensamos que íamos a pé portanto a Dona Toninha ficou em casa, já que se recupera de uma inflação no pé que requer cuidados. Mas quando passamos pelo nosso vizinho, o dono da árvore, para perguntar onde esta ficava, ele disse que ia conosco. Quando vimos, lá estava ele com eu tratorzinho em funcionamento. Pegamos carona, claro. E apanhamos as cerejas.

Reiner fez o serviço de coletor, eu de selecionadora. O vizinho ficou lá conversando conosco, ajudando a reposicionar a escada quando necessário. Contou, que depois da guerra ? ele tem 71 anos, contratava-se pessoas para a colheita das cerejas. O contratador dizia para o contratado: ?Cante!? e por uma razão muito simples. Enquanto se canta não se pode comer cerejas! Mas nós não cantamos nada. Comemos também.

Assim como para jabuticabas, a cereja mais gostosa é aquela saboreada à sombra do seu pé. Recém colhida. Trouxemos mais ou menos 15 quilos para casa. Dona Toninha ficou triste de escutar que fomos e voltamos de tratorzinho. Ela, que cresceu em fazendas no Brasil, adora um mato. E as plantações. Mas ela ainda vai lá. Quando o pé melhorar.

por RosangelaE em Na Alemanha

Comentários

Manoel Carlos 30.06.2004 – 12:18

Ninguém imagina que alguém viva na Alemanha, um dos mais industrializados países do Mundo, e tenha a vida telúrica que você tem.
Jaboticaba, no tronco, já colhi muito.
As fotos estão ótimas, mas a narrativa já deu água na boca.

ney alexandre 01.07.2004 – 17:56

Rô, que imagens! Deu vontade de correr e me juntar a vcs. Delícia!
Anúncios