Fomos a Roma

Tudo começou uma semana e meia atrás. O Reiner estava com viagem marcada para toda semana passada nos EUA. Olhando minhas milhagens, vimos que dava para uma viagem dentro da Europa para duas pessoas. ?Mas para onde?? Reiner perguntou. Seria tão bom se pudesse levar mamãe a Roma, eu disse, sem pestanejar. E me arrependi muitas vezes antes de pegarmos o avião. Mas depois de dito, já era meio caminho andado. Depois de colocar o andor em movimento não há como interromper sua jornada. Olhamos tudo, tickets eletrônicos e hotel pela internet. E agendamos. Quando tudo estava pronto, Reiner foi lá e perguntou dona Toninha: ?Vocês vão viajar na semana que vem. Adivinhe para onde?? Ela não se fez de rogada: ?Para Roma?? O sonho dela. E assim foi. Bem simples. O Reiner voou para a América no sábado retrasado. Eu e mamãe voamos para Roma na segunda feira passada.

Eu disse bem simples? Antes tivesse sido. Pois havia aquele pé da dona Toninha, o direito, com a tendinite. Voltamos ao médico na quinta-feira anterior para a última aplicação de ultra-som. E uma última conversa com o médico. Tudo bem. Fora uma pequena irritação no pé direito devido à compressa com Quark (uma espécie de coalhada), tudo bem. Alta médica. No dia seguinte, o pé irritadíssimo. Voltamos ou não ao médico? Não voltamos ao médico. No sábado o Reiner viajou. Eu e mamãe demos uma pequena volta na cidade. Em casa: o pé, o direito, dói de novo. Vermelho, bem irritado. ?Uma vez eu tive isto. O médico me mandou fazer repouso absoluto. Se eu andasse era perigoso ter de amputar o pé.? Repouso o resto do dia. No dia seguinte fomos a Stutgart encontrar uma amiga italiana. De volta em casa: pé irritado, dor na sola do pé, agora na frente, perto dos dedos. À noite: pé inchado, parecendo uma bola de natal. Prima! Vamos ou não vamos a Roma com este pé? E eu? Sem ninguém pra conversar, com a responsabilidade sobre a dona Toninha, fiquei doente. É sempre assim. Fiquei estressada, preocupada demais, lá vem minha úlcera ou gastrite de volta, com enjôos e dor de cabeça terríveis que não me permitem fazer nada. Domingo, meia noite eu ainda fechando as malas, tentando driblar o mal estar. Conversei com o meu irmão pelo telefone, dividi minha preocupação. Vou ou não vou a Roma com dona Toninha? Vai, claro. Dona Toninha nem tinha dúvidas. Vamos claro! Demos umas boas broncas neste pé teimoso que fica com medo de percorrer caminhos diferentes. Ele desinchou. Consegui deixar tudo organizado para a viagem. Levantamos no dia às 5:30 para conseguirmos estar no aeroporto às 7:00hs. O pé amanheceu ótimo! Nem sinal de qualquer problema. Os meus arrependimentos e mal estar passaram quando pisamos solo romano. Fomos a Roma. O pé direito da Dona Toninha foi a Roma. Andou muito, muito mesmo e passou muito bem, obrigado.

Fotos da visita laica:

dsc07741
Jogando moeda na Fontana de Trevi: para voltar à Roma como diz a lenda!
dsc07882

No Coliseu.
dsc07751c

Dança com gato.

por RosangelaE em Na Alemanha

Comentários

Manoel Carlos 07.08.2004 – 05:05

De volta ao interior mineiro, todos confirmarão que foi um milagre a melhora do pé, providencial para a ida a Roma.

Anúncios