Viagem sutil.

Manhã clara com grande umidade no ar. 26°C. A viagem segue lenta. Congestionamentos, engarrafamentos. Trafego lento, quando anda.Tanto faz se mudamos a rota e tentamos outros caminhos. Lentidão. As cidadezinhas se sucedem, infindáveis. Com suas torres de igrejas. A paisagem se modifica. E as torres das igrejas. Às torres retilíneas sucedem-se outras torres, com suas cúpulas em forma de cebola, características da Bavária.

Dentro do carro uma outra paisagem se destila, sutil.

?Amanhecer é uma lição do universo, que nos ensina que é preciso renascer.O novo, amanhece.?

Nas palavras e ritmos de Renato Teixeira & Pena Branca e Xavantinho.

E eles tocam.

?Tudo é sertão, tudo é paixão, se o violeiro toca. A viola, o violeiro e o amor se tocam.?

E cantam.

?Ando devagar por que já tive pressa e levo esse sorriso por que já chorei demais. Hoje me sinto mais forte, mais feliz, quem sabe. Eu só levo a certeza de que muito pouco eu sei, que nada sei. Conhecer as manhas e as manhãs, o sabor das massas e das maçãs. É preciso amor pra poder pulsar, é preciso paz pra poder seguir e é preciso chuva pra florir. Sinto que seguir a vida seja simplesmente conhecer a marcha e ir tocando em frente?… ?Estrada eu vou. Estrada eu sou.? … ?Cada um de nós compõe a sua própria história e cada ser em si carrega o dom de ser capaz, de ser feliz.?

E cantam.

?Como eu não sei rezar, só queria mostrar, meu olhar, meu olhar, meu olhar.?

E tocam.

?Debulhar o trigo, recolher cada bago do trigo, forjar do trigo o milagre do pão e se fartar de pão.?

E cantam.

Deixo repetir uma faixa e digo: ?É tão lindo!? Reiner ri e diz: ?Dá uma choradinha, dá!?

E eu dou uma choradinha. E o violeiro toca. E eu dou mais uma, só mais uma choradinha.

?É que a viola fala alto no meu peito humano e toda moda é um remédio pros meus desenganos. É que a viola fala alto no meu peito humano e toda mágoa é um mistério fora deste plano.?

Minha mãe, no banco de trás, reza e acompanha as mudanças da paisagem externa e das torres das igrejas.

* Textos entre aspas do CD de Renato Teixeira & Pena Branca e Xavantinho. 1992 – Ao vivo em Tatuí.

por RosangelaE em Na Alemanha

Comentários

Manoel Carlos 25.08.2004 – 13:11

Não canso de repetir uma frase de uma música de Paulinho da Viola: voltar quase sempre é partir para um outro lugar.
Não tem jeito. Na Alemanha você sentirá, sempre, saudades do Brasil; caso voltasse, sentiria saudades da Alemanha.

Für diesen Eintrag sind die Kommentare nicht aktiviert.
Anúncios