Miopia.

Semana passada fui fazer uma caminhada no fim da tarde. A noite caindo, a lua já lá no meio do céu. Parei para tirar uma foto:

E perdi os óculos. Como? Muito simples. Míope desde criança, agora que chega a idade adulta, preciso também de óculos para ver de perto. O único para as duas distâncias que eu tinha quebrou, mas também nunca cumpriu sua função adequadamente. Então uso um par de óculos antigo e seguindo a sugestão de minha médica no Brasil, quando quero ver alguma coisa de perto ou ler, coloco os óculos na ponta do nariz. Mas, embora o nariz não seja pequeno, não há mais nariz suficiente. Se quiser mesmo ver alguma coisa de perto ou ler, tenho de tirar os óculos. Para enxergar o que quero fotografar no visor da máquina fotográfica, por exemplo, preciso tirar os óculos. E foi o que fiz. Tirei a foto e procurei os óculos. Cadê? Tinha caído. Bem no meio de todas as folhas caídas das árvores. E eu não consegui acha-lo porque simplesmente não enxergava. Resultado: Para não ficar sem os ditos cujos, tive de voltar em casa, pegar outro par de óculos e voltar lá para procurar os que havia perdido. Achei. Mas fiquei muito brava.
O que fazer? Pelo menos o outro par de óculos já foi encomendado. Se vai cumprir sua função, não sei.

por RosangelaE em

Comentários

rafaela j. 30.11.2004 – 18:35

adoro o seu blogg !!!

rosangela 01.12.2004 – 09:38

Obrigada Rafaela J.

Manoel Carlos 01.12.2004 – 12:28

De uns anos pra cá, no Brasil, é comum as pessoas usarem os óculos amarrados num fio que rodeia o pescoço. Ao se tirar os óculos, eles ficam pendurados, não há como perdê-los. Contudo, nordestino do Agreste, acho uma afetação para um homem usar :)

rosangela 01.12.2004 – 16:54

Puxa Manoel, que boba que eu sou. eu tenho um monte destes fios por aqui, mas também não gosto de usar. Mas taí uma boa soluçã para esta chatice. Abraço,

Idade média

Mergulhar em um outro tempo. Antigo, misterioso, místico. O remoto, a fábula se materializa.
Mas o personagem com cabelos longos, roupa típica de outras eras e um comprido bastão saca o celular do bolso do moderno. As duas realidades se cruzam. O paralelo se evidencia. A magia se quebra.

por RosangelaE em Na Alemanha 2 Kommentare | TrackBack (0)

Comentários

Manoel Carlos 01.12.2004 – 12:33

Mas não deixa de ter sua graça, um celular na Idade Média :). Quando criança, vi um filme (deve haver inúmeras produções) A Paixão de Cristo. Aparecia o relógio no pulso do Cristo quando ele erguia a cruz.

rosangela 01.12.2004 – 17:01

Eu também já vi este filme. E tem razão. É mesmo divertido. E ontem teve uma reportagem na televisão, exatamente sobre este “novo” costume das pessoas se vestirem como na idade média. Parece de certa forma em moda por aqui.

Iluminura

por RosangelaE em Iluminura 4 Kommentare | TrackBack (0)

Comentários

LIA 28.11.2004 – 16:53

Olá minha amiga! Como tudo está por aí? Hoje,aqui em Itatiba, o dia está estranhíssimo. Depois de termos mais de trinta e cinco qraus de temperatura até ontem a tarde, hoje está fazendo um friozinho inesperado. Seu poema é lindo. Todo o seu espaço é lindo!. Meu carinhoso beijo amigo.

nora borges 28.11.2004 – 17:15

Vou ter que voltar pra ler tudinho… tá linda demais sua página!
Beijos

Mariana Calza 28.11.2004 – 18:37

Olá, conheci seu blog através da minha tia Lia Araújo. É muito interessante saber que podemos interagir com pessoas que estão tão distantes. Sempre passarei por aqui dando notícias do Brasil
Bjos

Manoel Carlos 29.11.2004 – 03:31

Espontâneo.

Reflexo do antigo no atual.

Ou vice e versa?

Meio escondido.

Perdi o riso,
o sorriso meio escondido…
E isto é só o título,
perfeito capítulo inacabado
do inadequado livro.

Perdi o riso…
Agora, só
o meio tempo medido
esquálido, perdido.
Nem mesmo a mera sombra entretida,
o parco sonho apagado,
de quem por aí vai,
distraído.

Perdi o riso…
e nem o espaço se enquadra
em projetos esvaídos
desta incerta ternura, dispersa
entre decisões de dar ou negar.

Por isto fico aqui sentada
olhando o credo escrito
em quadro negro-verde
e sentindo a ponta do estilete
entre as costelas,
a atormentar-me,
enganar-me
e a enraizar-me
ensimesmadamente
aqui e acolá.
18.09.80

por RosangelaE em Desnovelando. 2 Kommentare | TrackBack (0)

Comentários

Ale 24.11.2004 – 11:45

Voce quem tira essas fotos?? Que coisa mais linda!!!
Respondendo sua pergunta, estamos aqui na Alemanha apenas por um ano, fim de marco/05 voltamos para a Inglaterra. Eu gosto daqui, mas ja cansou estar de ferias!!

Manoel Carlos 24.11.2004 – 12:24

Revirando o baú?
Desconhecia este seu lado, poético.
Mostre-nos mais!
A foto, realmente, está excelente.

Quanto ao seu comentário sobre o triplo lançamento da próxima sexta-feira em Santa Tereza.
Claro que seria bom que vocês estivessem aqui, mas não se preocupe, pois quando vocês vierem ao Rio, encontraremos o jeito de vocês conhecerem os amigos escritores.

Patinando no gelo.

Semana passada em Stuttgart. Nós só olhamos!

por RosangelaE em Na Alemanha 4 Kommentare | TrackBack (0)

Comentários

Manoel Carlos 20.11.2004 – 04:26

Só olharam, por quê?

LIA 22.11.2004 – 02:54

Estava a vaguear pelos caminhos virtuais e foi assim que cheguei até aqui. Bisbilhotei todo o seu cantinho e fiquei a imaginar como estamos distantes e como a tecnologia nos aproxima. Em seus textos pude encontrar algumas informações sobre voce: onde vive, que gosta de bolo de milho … Quero também, que voce saiba um pouco sobre mim: tenho 57 anos, sou casada a quarenta anos, tenho uma filha e dois netos. Moro em Itatiba, uma pequena cidade que dista 80 quilômetros de S. Paulo. Sou advogada prestes a me aposentar e tenho como passa tempo navegar na net. Foi um prazer estar aqui. Espero que me faça uma visita. Ficarei muito feliz. Meu abraço. LIA

rosangela 22.11.2004 – 10:13

Oi Manoel, não sei proque não patinamos. Acho que tínhamos fome! :-)

Oi Lia, obrigada pela visita. Eu também acho incrível como a internet pode aproximar as pessoas. Claro que farei uma visita! Um abraço, rosangela.


rosimeire 04.12.2006 – 17:27

gostaria de saber:
O que acontece com a pessoa que esta patinando no gelo.

Porque a vela esta sempre com a luz ajetada para cima e é amarela.

Bolo de Nozes

O Bolo de nozes não tem nada de dietético e é bem comum. Mas, taí a receita a pedido da Cláudia.

200g de manteiga mole
300g açúcar
5 ovos
1 colher de rum
1 pitada de sal
? Pó Royal
375g de farinha de trigo
1/8 litro de leite
150g de nozes moídas
1 porção de cobertura de chocolate.

Esquentar o forno previamente a 180°C. Misturar bem o açúcar, a manteiga e o os ovos. Acrescentar o rum e o sal e depois, revezando como o leite, acrescentar a farinha de trigo e as nozes. Misturar o pó Royal no último terço de farinha, antes de acrescenta-lo ao resto da massa principal.Encher a forma untada com a massa e assar por mais ou menos 40 a 50 minutos.
Depois de retirar o bolo da forma, esperar esfriar e cobrir com a cobertura de chocolate.

Observações:

Quanto ao Pó Royal. Não sei se o pó que se usa aqui como fermento é igual ao nosso Pó Royal. Aqui na Alemanha vende-se em pequenos pacotinhos (Backpulver) cujo conteúdo mistura-se todo na receita (nesta pelo menos). Acho que no Brasil, pode-se usar 1 colher de pó Royal. Mas então eu o misturaria à massa como se usa fazer no Brasil: Misturar o pó Royal a um pouco de leite morno e não misturado à farinha como indicado nesta receita.

Acima está a receita original, como está no livro. Raramente sigo uma receita ao pé da letra. O que andei modificando nesta receita:
Ao invés de colocar 375 gramas só de farinha de trigo, sempre troco um pouco da quantidade por outro tipo de farinha. Tenho trocado a farinha de trigo comum por uma porção de farinha de Dinkel ? um tipo variante do trigo, muito conhecido aqui, e, dizem, bem saudável. Da última vez, acrescentei também um pouquinho de flocos de cereais integrais misturados ? aveia, trigo, etc. Misturo de tal forma que a quantidade final de farinha permaneça: 375gramas. Até agora só usei Dinkel até 1/3 do volume original. E de flocos, bem pouco, só para experimentar: mais ou menos 30gramas.

Outra coisa: A receita original usa avelã e não nozes. Pode-se, portanto, usar outras nozes

As outras variações na receita aqui.

por RosangelaE em Do antigo Iliquido com  2 Kommentare

Comentários

Claudia 20.11.2004 – 01:19

Me deu água na boca! Claro que eu já comprei os ingedientes. Adivinhe o que teremos aqui neste final de semana?
Muito obrigada pela receita, mas antes de mais nada pelo carinho com que você tratou do meu pedido.
beijo grande, Rosangela
Ps: farei esta primeiro e depois testo as variações. :)

rosangela 22.11.2004 – 10:53

Claudia, foi um prazer escrever sobre a receita do bolo e suas variações. Espero que vocês gostem dele como nós. Um abraço, rosangela