Sinos ao vento

Eu ganhei este mobile tilintante no final dos anos 80. Foi um presente de despedida, quando deixei Beagá, com lindas palavras em um lindo cartão feito a mão. Ele andou comigo, balançou e tilintou, tão doce, nas minhas varandas, mas eu não o trouxe para cá.

Há algum tempo minha mãe encontrou no fundo de uma caixa, botou linha nova e dependurou na varando do meu irmão. Fiquei surpresa e encantada de encontrar este penduricalho lá. Feliz de que ele não tenha ido para o lixo e que tilinta na vida da minha família.

Ao meio dia

Estas foram as cores que encheram os meus dias por lá. Assim mesmo, na hora de sol mais estatelado do dia. Meio dia. Amor agarradinho é como minha mãe chama esta planta.

Agora chove lá em Minas, finalmente. As chuvas se atrasaram este ano e estava uma secura sem fim.

Enquanto isto aqui também chove, ou garoa. Um tempinho típico de novembro: feio, frio.

Dando o tom.

Ele dá o tom no pedaço. Literalmente. Quando entrei para inspecionar a madurez das jabuticabas, ele olhou bravo pra mim, cantou de galo esporeando o chão. Eu peguei um cabo de vassoura dando sopa por lá e apontei pra ele, bem demonstrativa. Ele entendeu. Deixou-me em paz.

O galo dá o tom, mas quem é responsável pelas surpresas são elas. As galinhas. Primeiro, enquanto me mostrava tudo no quintal, minha mãe descobriu um ninho que elas mesmas improvisaram. Depois, num outro dia, depois da ronda pelo quintal de manhã, minha mãe entrou na sala mostrando três ovos na mão: o indecifrável. Como é que, com apenas duas galinhas no quintal, ela colhia três ovos ao dia? Nem todo dia, é certo. Mas três ovos?  Talvez o galo dê mais que o tom.

O ninho:

De volta.

Curti minha mãe e o calor. Foi bom. Foi bom. Foi bom.

Mas se tivesse aqui uma conexão com a velocidade da conexão que o meu irmão tem lá, eu deixaria de publicar fotos. Ah, se deixaria. É um martírio puro. Como preferia passar o tempo curtindo minha mãe, desisti de publicar qualquer coisa por lá.

Chegar a São Paulo na segunda-feira, com dezessete graus centígrados, chuvoso, me preparou para a mudança de clima. A primeira coisa que fizemos ao chegar aqui em casa ontem foi ligar os aquecedores.

Fazendo surpresa.

Anteontem chegamos cedo em São Paulo.

Ontem peguei sozinha avião pro interior de Minas, mais duas horas de ônibus e 10 minutos de taxi pra chegar na casa da minha mãe de surpresa. Nunca imaginei que conseguiria um dia fazer isto: chegar de surpresa na casa da minha mãe.

 
O calor, nunca estou preparada para este calor daqui. Mas hoje parece que já me acostumei de novo.

A cidade continua quase como sempre. Estão reformando a praça da rua 24 – Praça Getúlio Vargas, e tiraram a imensa árvore da esquina da praça da igreja matriz.

Vou passar 10 dias de calor por aqui.